sexta-feira, 14 de agosto de 2015

As vozes

Eleanor Longden palestrou para a TED sobre sua experiência com a escuta de vozes, o diagnóstico de esquizofrenia, os tratamentos psiquiatricos agressivos, e depois com o apoio de pessoas próximas e profissionais que acreditaram em sua recuperação. Ela aprendeu a lidar e conviver com as "vozes dentro da cabeça", recuperando seu "eu" e retomando seus planos pessoais, como a conclusão da universidade, o trabalho na área de saúde mental, a escrita de vários artigos e livros, e a participação no movimento internacional de escutadores de vozes. A maior lição que tiramos de seu depoimento é a de que o atendimento psiquiátrico e/ou psicológico mal encaminhado, ou seja, sem uma escuta autêntica e com uma fixação em categorias de doenças, pode acabar por piorar muito a condição do paciente. Por outro lado, um atendimento profissional que vá na contramão dessa tendência de super-patologização e medicalização da vida pode ajudar muito aqueles que precisam, e pode ajudar a própria sociedade a se adaptar às múltiplas subjetividades que existem e que são muitas vezes escondidas, oprimidas e ignoradas. Como Eleonor disse: "o priquiatra não deveria perguntar qual é o problema com você mas o que está acontecendo com você".